medicina e exercicio

Tosse Crônica

O que é a tosse crônica?

A tosse crônica se refere a uma tosse que dura mais de 8 semanas em adultos ou 4 semanas em crianças (1). 

Uma tosse ocasional é um processo normal que permite colocar para fora secreções e outros irritantes, protegendo as vias aéreas contra infecções.

No entanto, uma tosse que persiste por semanas geralmente é o resultado de um problema médico. 

As causas mais comuns incluem:

  • Asma;
  • Alergias;
  • Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)
  • Bronquite. 

Em muitos casos, mais de uma das condições acima podem estar presentes.

Asma

A Asma é uma doença inflamatória pulmonar crônica que acomete as vias respiratórias inferiores. 

Durante uma crise de asma, há uma combinação eventos que dificultam a passagem do ar pelas vias aéreas.

Existem diferentes fatores que podem desencadear a asma, que se dividem em fatores alérgicos e não alérgicos.

Além da tosse crônica, que é pior à noite, o paciente tende a apresentar sintomas como:

  • Aperto no peito, dor ou pressão;
  • Falta de ar;
  • Chiado.

Bronquite crônica

A Bronquite Crônica é uma inflamação persistente dos brônquios, estruturas tubulares que ligam a traqueia aos pulmões. 

Na maior parte dos pacientes, ela acontece em decorrência do tabagismo.

O principal sintoma da Bronquite crônica é a tosse com muco (expectoração).

A Bronquite Crônica pode ser parte de uma doença das vias aéreas chamada Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

A Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE) é uma condição na qual o ácido do estômago reflui de volta para o esôfago, que é o tubo que conecta a boca ao estômago.

Quando isso acontece, o refluxo ácido irrita o revestimento do esôfago, provocando dor e inflamação local.

Este é um dos problemas digestivos mais comuns, acometendo aproximadamente 20% da população adulta (2). 

Além da tosse crônica, outros sintomas característicos da DRGE incluem:

  • Queimação no peito (azia)
  • Dificuldade em engolir
  • Vômitos
  • Sensação de um nó na garganta

Infecção

A tosse crônica pode ser consequência de uma infecção grave, como pneumonia ou gripe.

Mesmo que a maioria dos sintomas tenha desaparecido, as vias aéreas ainda podem permanecer inflamadas por algum tempo.

A tosse crónica também pode ocorrer com infeções fúngicas do pulmão, infeção por tuberculose ou infeção pulmonar por micobacterias não tuberculosas.

Medicamentos anti-hipertensivos

Medicamentos para o tratamento da Hipertensão Arterial, conhecidos como inibidores da enzima conversora de angiotensina (ECA), podem causar tosse crônica em algumas pessoas. 

Entre esses medicamentos, incluem-se o enalapril e o captopril.

Diagnóstico da tosse crônica

O principal objetivo na avaliação do paciente com tosse crônica é a identificação para a causa da tosse. 

O primeiro passo é avaliar a história clínica do paciente, incluindo:

  • Quando a tosse crônica se iniciou;
  • Fatores que melhoram ou pioram a tosse;
  • Histórico de alergias e tabagismo
  • Outros sintomas que acompanham a tosse crônica.

Exames de imagem, como a radiografia ou a Tomografia Computadorizada, além da Broncoscopia contribuem para o diagnóstico da tosse crônica. 

Outros exames podem ser solicitados a depender das principais hipóteses diagnósticas.

Tratamento da Tosse Crônica

O principal objetivo do tratamento da tosse crônica deve ser direcionado ao tratamento da causa da tosse. Para isso, a avaliação pelo Médico Pneumologista é fundamental.

O uso de medicamentos antitussígenos pode ser considerado em alguns casos. Entretanto, é preciso considerar que a tosse é fundamental para limpar as vias aéreas, de forma que o custo-benefício deve ser avaliado caso a caso.

Além disso, algumas medidas que podem ajudar no alívio da tosse crônica incluem:

  • Hidratação: ajuda a diluir o muco na garganta;
  • Consumo de líquidos quentes, incluindo sopa ou chá;
  • Pastilhas para tosse: podem aliviar a tosse seca e aliviar a garganta irritada;
  • Mel: Uma colher de chá de mel pode ajudar a aliviar a tosse. Entretanto, não se deve dar mel a crianças menores de 1 ano de idade;
  • Hidratar o ar por meio de um humidificador de ambiente;
  • Evitar o tabagismo.