medicina e exercicio

Pneumonia

O que é a Pneumonia?

Pneumonia é uma infecção que acomete os pulmões.

Os alvéolos pulmonares podem se encher de líquido ou pus, causando tosse com catarro ou pus, febre, calafrios e dificuldade para respirar.

 Em alguns pacientes, a pneumonia se limita a sintomas leves e pouco incapacitantes, mas em outros ela pode impor risco a vida.

Ela tende a ser mais grave em certos pacientes, incluindo:

  • Bebês e crianças pequenas;
  • Pessoas com mais de 65 anos;
  • Pessoas com problemas de saúde ou sistema imunológico enfraquecido.

Quais os sintomas da Pneumonia?

Nos casos mais leves, os sinais e sintomas da pneumonia são parecidos com os do resfriado ou gripe, mas tendem a ser mais prolongados.

O principal sintoma é a tosse com catarro, que pode vir acompanhada de outros sintomas.

Eles podem incluir:

  • Dor no peito ao respirar ou tossir;
  • Confusão ou alterações na consciência mental (especialmente em adultos com 65 anos ou mais);
  • Fadiga;
  • Febre, sudorese e calafrios;
  • Temperatura corporal abaixo do normal (em adultos com mais de 65 anos e pessoas imunocomprometidas).
  • Náuseas, vômitos ou diarreia
  • Falta de ar

Qual a causa da Pneumonia?

A pneumonia pode ser causada por diferentes tipos de microorganismos, incluindo bactérias, vírus e fungos.

Geralmente eles são transmitidos pelo ar, com a respiração.

A pneumonia é mais comum em pessoas com a saúde mais debilitada. Entretanto, ela pode acometer pessoas previamente hígidas, especialmente após uma gripe, resfriado ou outro tipo de infecção que deixa o sistema imunológico temporariamente mais vulnerável.

A infecção nos pulmões também pode se desenvolver em decorrência da aspiração de alimentos, bebidas, vômitos ou saliva.

Isso é mais comum quando existe alguma condição que compromete o reflexo normal do vômito, como uma lesão cerebral, problema de deglutição ou consumo excessivo de álcool ou drogas.

Pneumonia comunitária ou hospitalar

Saber a localização onde a pneumonia foi adquirida é muito importante. Isso porque os agentes responsáveis pela infecção tendem a ser diferentes e o tratamento também.

A pneumonia adquirida no hospital tende a ser mais grave, uma vez que as bactérias geralmente são mais resistentes aos antibióticos e também porque as pessoas que a contraem já estão doentes.

Pessoas que estão em ventilação mecânica correm maior risco tanto para contraírem esse tipo de pneumonia como para terem uma evolução menos favorável.

A pneumonia adquirida em asilos, pelos mesmos motivos, também tendem a ser mais graves.

Quais as complicações da Pneumonia?

Mesmo com o tratamento adequado, algumas pessoas com pneumonia podem evoluir com complicações. Isso é válido especialmente no caso de pessoas imunocomprometidas ou com estado geral de saúde comprometido.

As complicações mais comuns incluem:

Bacteremia e sepse

Bacteremia se refere à entrada de bactérias na corrente sanguínea. Estas bactérias podem espalhar a infecção para outros órgãos. Quando há um acometimento generalizado da infecção, a condição é chamada de sepse. Ela pode levar à falência de órgãos e à morte.

Insuficiência respiratória

A pneumonia pode comprometer a capacidade de troca gasosa nos pulmões, levando a uma condição de insuficiência respiratória e hipóxia (baixa saturação de oxigênio no sangue).

Quando a quantidade de oxigênio no sangue for insuficiente para manter os órgãos funcionando, poderão ser indicadas diferentes modalidades de oxigenioterapia.

Derrame pleural (água nos pulmões)

O derrame pleural se refere ao acúmulo de líquidos ao redor dos pulmões, condição popularmente conhecida como “água nos pulmões”. 

Em alguns casos, este líquido pode ter que ser retirado por meio de um dreno torácico ou cirurgia.

Abscesso pulmonar

O abscesso pulmonar se refere ao acúmulo de pus em uma cavidade no pulmão. Dependendo do caso, ele pode ser tratado por meio de cirurgia ou drenagem.

Diagnóstico

O diagnóstico da pneumonia deve ser considerado inicialmente a partir da associação da histórica clínica e auscuta pulmonar.

A confirmação poderá ser feita por meio da radiografia de tórax ou da Tomografia computadorizada. Estes exames ajudarão também a detectar a extensão da infecção.

Exames de sangue são usados ​​tanto para confirmar a infecção como para tentar identificar o organismo causador da infecção. No entanto, essa identificação nem sempre é possível.

Além do exame de sangue, o microorganismo causador da pneumonia pode ser identificado por meio da análise do escarro.

Por fim, a Oximetria de pulso é importante para diagnosticar a saturação do oxigênio no sangue, que se desenvolve em decorrência da menor capacidade de trocas gasosas no paciente com pneumonia.

Tratamento

O tratamento da pneumonia tem por objetivo a cura da infecção, a prevenção e o tratamento das complicações.

Pacientes previamente hígidos e imunocompetentes, com pneumonia comunitária, geralmente podem ser tratados em casa com medicamentos. 

Ainda que a maioria dos sintomas desapareça em poucos dias ou semanas, a sensação de cansaço pode persistir por um mês ou mais.

Antibióticos são usados ​​para tratar a pneumonia bacteriana, sendo que a escolha do antibiótico depende se a infecção é comunitária ou hospitalar. Eventualmente, o antibiótico poderá ser substituído após a identificação da bactéria responsável pela infecção. 

Antitérmicos /analgésicos são usados conforme a necessidade, no caso de febre ou dor.