medicina e exercicio

Estenose Lombar

Estenose Lombar

 

A Estenose Lombar se caracteriza pelo estreitamento dos canais ósseos pelos quais passam os nervos e a medula espinhal, restringindo o espaço para os nervos se moverem livremente. Ela é frequentemente causada por alterações relacionadas à idade:

Artrose da Coluna, discos protuberantes, esporões ósseos e ligamentos espessados. Eventualmente, pode acontecer em decorrência de fraturas, escorregamento da vértebra (espondilolistese) ou tumor ósseo.

Anatomia relevante

 

O canal medular (também conhecido como canal vertebral ou canal espinhal) é o espaço dentro das vértebras onde passa a medula espinhal, um feixe de fibras nervosas responsáveis por transferir informações de diversas partes do organismo para o cérebro e do cérebro para todas as outras estruturas corporais – incluindo a sensibilidade tátil e dolorosa e o estímulo para a contração dos músculos.

Em cada vértebra, temos dois forames, que são aberturas pelas quais saem as raízes dos nervos que se originam na medula. Cada raiz nervosa se direciona para um conjunto específico de estruturas do nosso corpo.

A Estenose Lombar, desta forma, pode acometer tanto o canal medular, comprimindo a medula espinhal, como os forames, comprometendo as raízes nervosas. 



Sintomas da Estenose Lombar

 

Os sintomas de Estenose Lombar variam de acordo com a localização, se no canal medular ou nos forames e de qual nível onde está ocorrendo a compressão dos nervos. Geralmente incluem dor nas pernas, formigamento, fraqueza ou dormência. Estes sintomas podem se desenvolver gradativamente ou de forma repentina. Em alguns pacientes, a dor pode ocorrer apenas durante certas atividades, como caminhar. A Dor Lombar pode estar presente no paciente com estenose, mas não costuma ser a queixa principal do paciente.

Uma das características dessa patologia é a claudicação neurogênica, uma dor em cãibra acompanhada de fraqueza nas pernas, normalmente nas panturrilhas, que ocorre ao caminhar ou ficar em pé e desaparece ao sentar ou descansar. Inclinar-se sobre um objeto de apoio, como um andador ou carrinho de compras, pode ajudar a reduzir a dor ao caminhar. Isso acontece porque, ao flexionar a coluna, o canal medular tende a se abrir.

Dor e cãibras nas pernas também podem ser um sinal de claudicação vascular, que ocorre quando há um estreitamento das artérias da perna causado por doença arterial periférica. Uma forma de diferenciar clinicamente a claudicação neurogênica, característica da Estenose Lombar, da claudicação vascular, é que esta piora ao subir uma ladeira ou escada e não é aliviada ao se curvar para a frente. O paciente com Estenose Lombar tende a tolerar bem a prática de bicicleta, devido ao posicionamento com o tronco inclinado para a frente.

Tratamento

 

Tratamento não cirúrgico

Medicamentos, injeções espinhais e fisioterapia podem ajudar a controlar os sintomas, ainda que não sejam capazes de reverter o processo de estreitamento do canal medular. Medidas como melhorar o posicionamento na cama, melhora da postura nas atividades do dia a dia e a correção no movimento feito para levantar pesos podem ajudar no alívio dos sintomas.

 

Tratamento cirúrgico

A cirurgia mais indicada para o tratamento da Estenose Lombar é a laminectomia. O procedimento tem por objetivo abrir os canais ósseos pelos quais passam a medula espinhal e os nervos, criando mais espaço para que estes se movam livremente. 

A cirurgia é realizada por meio de uma incisão na musculatura posterior. A lâmina óssea que forma a parte posterior do canal espinhal é ressecada. A lâmina forma um teto sobre a medula espinhal, de forma que sua remoção aumenta o espaço disponível para os nervos. 

Em alguns casos, pode ser necessário realizar concomitantemente a Artrodese da Coluna, que é um procedimento de fusão entre as vértebras envolvidas. A artrodese é feita no mesmo ato cirúrgico da laminectomia, de forma a evitar a instabilidade da coluna e a dor decorrente desta instabilidade. Para isso, utiliza-se de uma combinação de enxerto ósseo, parafusos e hastes para conectar as vértebras adjacentes.