medicina e exercicio

Escarlatina

O que é a Escarlatina?

A escarlatina é uma doença bacteriana que se desenvolve em algumas pessoas com Faringite Estreptocócica.

A faringite é uma doença que causa dor de garganta e que tem diferentes causas, entre elas uma infecção causada pelo Streptococo, um tipo de bactéria.

A escarlatina pode se desenvolver em decorrência de uma toxina liberada por estas bactérias.

O paciente desenvolve então uma erupção vermelha brilhante que cobre a maior parte do corpo. Essa erupção é acompanhada de garganta e febre alta, que são sintomas típicos da Faringite Bacteriana.

A doença é mais comum em crianças de 5 a 15 anos de idade.

O tratamento com antibióticos costuma ser bastante efetivo. Entretanto, quando não tratada, a escarlatina pode resultar em complicações mais graves que afetam o coração, os rins e outras partes do corpo.

Sinais e sintomas da Escarlatina

Lesão de pele

A principal característica da Escarlatina é uma erupção avermelhada na pele, com aspecto de uma queimadura de sol. 

As lesões de pele geralmente se manifestam um a dois dias após o início da dor de garganta e febre. No entanto, ela pode aparecer antes destes sinais de faringite ou até 7 dias depois (1).

A pele fica parecendo uma lixa, ao passar a mão sobre ela. 

Geralmente começa no rosto ou pescoço e se espalha para o tronco, braços e pernas. Ao comprimir a pele, ela se torna pálida.

As dobras de pele ao redor da virilha, axilas, cotovelos, joelhos e pescoço geralmente ficam com uma coloração avermelhada mais profunda do que no restante do corpo.

O rosto pode parecer corado, formando um anel pálido ao redor da boca.

A erupção cutânea e a vermelhidão no rosto e na língua geralmente duram cerca de uma semana. Depois que esses sinais e sintomas desaparecem, a pele afetada pela erupção geralmente descasca.

Escarlatina 1

Outros sinais e sintomas tipicamente vistos no paciente com escarlatina incluem:

  • Língua cor de morango e com aspecto esburacado;
  • Febre e calafrios;
  • Garganta muito dolorida e vermelha, às vezes com manchas brancas ou amareladas;
  • Dificuldade em engolir;
  • Glândulas aumentadas no pescoço, que são sensíveis ao toque;
  • Náusea ou vômito;
  • Dor de barriga;
  • Dor de cabeça e dores no corpo.

Complicações da Escarlatina

Quando não tratada, a bactéria causadora da escarlatina pode passar para as amígdalas, seios paranasais, ouvido médio, pulmões, coração, rins, articulações e músculos, pele e sangue

O paciente pode então desenvolver sinais e sintomas característicos das infecções em cada um destes órgãos ou tecidos, incluindo:

Algumas destas complicações podem ser bastante graves, inclusive com risco a vida. Assim, é importante ficar atento a certos sinais e sintomas que indicam a necessidade de uma avaliação de emergência, entre eles:

  • Falta de ar mesmo em repouso;
  • Dificuldade para respirar (respiração rápida, ruidosa e ofegante, contração dos músculos ao redor das costelas, dilatação das narinas);
  • Dor no peito;
  • Incapacidade de engolir líquidos ou saliva;
  • Voz abafada;
  • Incapacidade de abrir a boca completamente;
  • Confusão, falta de energia ou incapacidade de permanecer alerta;
  • Tontura ao sentar ou ficar em pé;
  • Babação;
  • Vômitos ou diarreia persistentes ou graves;
  • Desidratação.

Diagnóstico

O diagnóstico da escarlatina deve ser considerado a partir da avaliação clínica. Esta avaliação deve incluir:

  • Avaliação da lesão da pele, incluindo a aparência e a textura da erupção cutânea;
  • Observação da garganta e das Amigdalas;
  • Palpação dos linfonodos no pescoço.

Caso o exame clínico leve à suspeição de uma faringite streptocócica, poderá ser indicada a realização de um swab.

Neste teste, um cotonete é esfregado na garganta para coleta de secreção, seguido de um teste rápido para streptococo.

Se o teste rápido for negativo, mas a clínica for sugestiva, poderá ser realizado um teste de cultura. Entretanto, o resultado da cultura é mais demorado para ser liberado.

Os testes para streptococo são importantes porque outras condições podem causar sinais e sintomas semelhantes aos da escarlatina, o que pode exigir tratamentos igualmente diferentes. 

Tratamento

O tratamento da escarlatina é feito com antibióticos. Os antibióticos habitualmente utilizados são a penicilina ou a amoxacilina por 10 dias, embora outros esquemas antibióticos possam ser considerados.

Analgésicos e antitérmicos podem ser usados para minimizar a febre ou a dor de garganta.

Como evitar a transmissão da infecção?

A infecção pelo streptococo é transmitida por via respiratória. Assim, o isolamento do paciente é fundamental para evitar a transmissão.

O afastamento da escola ou trabalho deve ser mantido até que o paciente esteja a pelo menos 24 horas sem febre e esteja em uso de antibiótico por pelo menos 12 horas.

Alguns cuidados devem ser adotados tanto pelo paciente quanto pelos outros membros da família em convívio próximo, incluindo:

  • Lava as mãos regularmente com água e sabão, especialmente depois de tossir ou espirrar e antes de preparar alimentos ou comer;
  • Use um desinfetante para as mãos à base de álcool se não houver água e sabão disponíveis.
  • Cobrir a boca e o nariz com um lenço ao tossir ou espirrar.
  • Na ausência de um lenço, tossir ou espirrar na parte superior da manga ou cotovelo, não nas mãos.