medicina e exercicio

câncer de pulmão

O que é o câncer de pulmão?

O câncer de pulmão engloba diferentes tipos de tumores malígnos que têm origem nas células dos pulmões.
O câncer de pulmão é a principal causa de mortes por câncer em todo o mundo.

Sinais e sintomas do câncer de pulmão

O câncer de pulmão normalmente não causa sintomas em seus estágios iniciais.
Com a evolução do problema, os sinais e sintomas mais comuns incluem:

  • Tosse que não passa
  • Tosse com sangue, mesmo que em pequena quantidade
  • Falta de ar
  • Dor no peito
  • Rouquidão
  • Perder injustificada de peso
  • Dor óssea
  • Dor de cabeça

Quais as causas do câncer de pulmão?

Em cerca de 85% dos casos diagnosticados, o câncer de pulmão está associado ao consumo de tabaco ou derivados de tabaco (1).

Pessoas não fumantes, mas expostas de forma prolongada à fumaça do cigarro, também apresentam risco elevado. A isso se chama de tabagismo passivo.

O risco de câncer de pulmão aumenta com o avanço da idade e com o número de cigarros fumados ao longo da vida.

Pessoas com histórico de tabagismo sempre terão risco elevado para o câncer de pulmão. No entanto, o abandono do tabagismo pode reduzir significativamente esta chance.

O maior risco está associado ao dano causado pelo cigarro ao revestimento dos pulmões.

Além do tabaco, a exposição ao amianto e eventualmente ao arsênico, cromo e níquel também aumenta o risco de câncer de pulmão.

Estas substâncias geram preocupação especial especialmente em relação à exposição no trabalho, em certos tipos de profissões.

Tipos de câncer de pulmão

O câncer de pulmão pode ser classificado em dois tipos principais, a depender das características das células cancerígenas:

  • Câncer de pulmão de pequenas células: ocorre quase exclusivamente em fumantes pesados. Ele é menos comum do que o câncer de pulmão de células não pequenas.
  • Câncer de pulmão de células não pequenas: termo abrangente para vários tipos de câncer de pulmão. Os principais deles são o carcinoma de células escamosas, adenocarcinoma e o carcinoma de grandes células.

Além disso, o pulmão é uma das localidades mais acometidas por câncer metastático. Metástases pulmonares se referem a um tumor que se forma a partir de células cancerígenas que chegam ao pulmão a partir de um câncer em outras partes do corpo.

Em parte destes casos, a metástase pulmonar pode ser descoberta mesmo antes de se ter conhecimento do tumor primário.

Diagnóstico

Pessoas com risco aumentado de câncer de pulmão podem considerar a triagem anual do câncer de pulmão usando tomografias computadorizadas de baixa dosagem.

O rastreamento do câncer de pulmão geralmente é oferecido a adultos mais velhos que fumaram pesadamente por muitos anos ou que pararam nos últimos 15 anos. Isso independentemente de eventuais sintomas

Os exames também são realizados na presença de sintomas característicos.

Eventualmente, o câncer poderá ser identificado ou suspeitado com base em exames realizados por motivos não relacionados ao câncer de pulmão.

Os principais exames a serem considerados para o diagnóstico incluem:

Exames de imagem
A radiografia de tórax pode mostrar uma massa ou nódulo anormal. Este costuma ser o primeiro exame na investigação de queixas pulmonares. A tomografia computadorizada pode revelar pequenas lesões nos pulmões em uma fase mais precoce do que as radiografias. No artigo sobre nódulos pulmonares, discutimos mais sobre quais nódulos devem ser investigados e como isso deve ser feito.

Citologia de escarro
No caso de pessoas que estejam produzindo muito esca

Broncoscopia
A broncoscopia é um exame no qual um tubo é introduzido através da boca e encaminhado pelas vias aéreas, gerando imagens ao longo do trajeto. Na presença de lesões suspeita, uma biópsia é realizada através do broncoscópio.

Biópsia
A biópsia consiste na remoção de um pequeno fragmento de tecido suspeito, identificado por meio dos exames de imagem. Existem diferentes formas de biópsia, incluindo a broncoscopia (através de um tubo inserido pela boca) ou a biópsia por agulha, na qual uma agulha é guiada através da parede torácica até a lesão suspeita, guiado por tomografia computadorizada.
A biópsia não apenas confirma o diagnóstico do câncer de pulmão mas também o tipo específico de câncer.

Exames para avaliar a extensão do câncer
Uma vez que seu câncer de pulmão tenha sido diagnosticado, outros exames são indicados para avaliar se ela já se espalhou para outras áreas do corpo.
Em ter estes exames, poderão ser consideradas a tomografia computadorizada, ressonância magnética, tomografia por emissão de pósitrons (PET) e cintilografia óssea.

Estadiamento do câncer de pulmão

O estadiamento do câncer de pulmão é feito a partir do sistema TNM.
Ele leva em consideração três características do câncer:

  • Tamanho (T)
  • Acometimento ou não de linfonodos (N)
  • Presença ou não de metástases (M).
ESTADIAMENTO TNM – CÂNCER DE PULMÃO
T Tx o câncer principal não pode ser avaliado. Ele não aparece nos exames, mas pode haver células cancerígenas presentes na saliva ou no fluido retirado do pulmão.
T0 não há sinal de câncer
Tis Células cancerígenas contidas no revestimento interno dos pulmões.
T1 O câncer está contido no pulmão.
T1mi tipo de câncer de pulmão de células não pequenas chamado adenocarcinoma – adenocarcinoma minimamente invasivo. 

O câncer não tem mais de 3 cm em sua parte mais larga. Também não cresceu mais do que 0,5 cm no tecido pulmonar mais profundo.

T1a Câncer com 1 cm ou menos em sua parte mais larga.
T1b Câncer tem entre 1 cm e 2 cm de diâmetro.
T1c Câncer tem entre 2 e 3 cm de diâmetro.
T2 O câncer tem entre 3 cm e 5 cm de diâmetro.

Ou 

o câncer tem uma ou mais das seguintes características:

  • Envolve a via aérea principal (o brônquio principal), mas não está perto da área onde o brônquio se divide para entrar em cada pulmão;
  • Envolve o revestimento interno da cavidade torácica (a pleura visceral);
  • Parte ou todo o pulmão entrou em colapso ou está bloqueado devido a inflamação.
T2a O câncer tem entre 3cm e 4cm.
T2b O câncer tem entre 4cm e 5cm.
T3 O câncer tem entre 5cm a 7cm.

Ou 

há mais de um tumor no mesmo lobo do pulmão.

Ou 

o câncer cresceu em uma ou mais dessas estruturas: Parede torácica, Pleura parietal, nervo Frênico (nervo perto do pulmão), pericárdio (membrana externa do coração).

T4 O câncer é maior que 7 cm.

Ou 

está em mais de um lobo do pulmão.

Ou 

se espalhou em uma ou mais das seguintes estruturas: diafragma, mediastino (área entre os pulmões, no meio do tórax), coração, traqueia, esôfago, vértebra, brônquio

N Nx Gânglios linfáticos não podem ser avaliados.
N0 Gânglios linfáticos não contêm células cancerígenas.
N1 Presença de células cancerígenas nos gânglios linfáticos dentro do pulmão ou da área onde os pulmões se unem às vias aéreas (o hilo).
N2 Presença de câncer nos gânglios linfáticos: no mediastino do mesmo lado do pulmão afetado ou logo abaixo de onde a traqueia se ramifica para cada pulmão
N3 Presença de câncer nos gânglios linfáticos do lado oposto do tórax do pulmão afetado ou

acima da clavícula ou no topo do pulmão

M M0 câncer não se espalhou para outro lobo do pulmão ou qualquer outra parte do corpo
M1 câncer se espalhou para outras áreas do corpo.
M1a câncer em ambos os pulmões

ou

áreas de câncer no revestimento ao redor do pulmão ou no revestimento ao redor do coração

ou

há líquido ao redor do pulmão ou coração que contém células cancerígenas (derrame pleural maligno ou derrame pericárdico maligno)

M1b uma única área de câncer fora do tórax em um órgão (como o fígado ou o cérebro) ou um linfonodo.
M1c há mais de uma área de câncer em um ou vários órgãos.

A partir dos estágios TNM, o câncer de pulmão é subdividido em quatro estágios, conforme a tabela abaixo

1 1A T1a-c, N0, M0
1B T2a, N0, M0
2 2A T2b, N0, M0
2B T1a-c, N1, M0 / T2a-b, N1, M0 / T3, N0, M0
3 3A T1a-c, N2, M0 / T2a-b, N2, M0 / T3, N1, M0 / T4, N0, M0 /T4, N1, M0
3B T1a-c, N3, M0 / T2a-b, N3, M0 / T3, N2, M0 / T4, N2, M0
3C T3, N3, M0 /T4, N3, M0
4 Qualquer T, Qualquer N, M1

Tratamento do câncer de pulmão

O tratamento para o câncer de pulmão pode incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia, imunoterapia e outros. Isso depende do tipo específico de câncer, da saúde geral, do estágio do câncer e das preferências individuais do paciente.

Em alguns casos, o paciente pode optar por não se submeter ao tratamento. Isso acontece quando se avalia que os efeitos colaterais do tratamento superam os potenciais benefícios. Ainda assim, quando for esse o caso, o paciente receberá cuidados de conforto para alívio dos sintomas que o câncer está causando, como dor ou falta de ar. A isso se chama de tratamento paliativo.

Tratamento cirúrgico
Durante a cirurgia, busca-se remover o câncer de pulmão junto com uma margem de tecido saudável ao seu redor. O objetivo, com isso, é minimizar a probabilidade de terem ficado células cancerígenas para trás.
Os procedimentos para remover o câncer de pulmão incluem:

  • Ressecção em cunha para remover uma pequena seção do pulmão que contém o tumor junto com uma margem de tecido saudável;
  • Ressecção segmentar para remover uma porção maior do pulmão, mas não um lobo inteiro;
  • Lobectomia para remover todo o lobo de um pulmão;
  • Pneumonectomia para remover um pulmão inteiro.

Além disso, juntamente com a remoção do tumor, poderá ser feita a remoção de linfonodos regionais para verificar a presença de câncer.

A cirurgia geralmente é recomendada quando o câncer está confinado aos pulmões. Nos tumores de maior tamanho, poderá ser recomendado um curso de quimioterapia ou radioterapia antes da cirurgia, com o objetivo de encolher e facilitar a retirada do câncer pela cirurgia.

Da mesma forma, quimioterapia e radioterapia poderão ser indicados após a cirurgia, para combater células que eventualmente tenham ficado para trás durante a cirurgia.

Radioterapia
A radioterapia usa feixes de energia de alta potência para matar células cancerígenas. Durante a radioterapia, o paciente se deita em uma mesa enquanto uma máquina se move ao seu redor, direcionando a radiação para pontos precisos do corpo.
Para pessoas com câncer de pulmão localmente avançado, a radiação pode ser usada antes ou depois da cirurgia. Muitas vezes, ela é feita em combinação com a quimioterapia. Se por motivos diversos a cirurgia não for uma opção, a combinação de quimioterapia e radioterapia pode ser o tratamento primário, sem a realização de cirurgia.
Para cânceres de pulmão avançados e aqueles que se espalharam para outras áreas do corpo, a radioterapia pode ajudar a aliviar sintomas como a dor, mesmo que isso não signifique a cura do câncer.

Quimioterapia
A quimioterapia envolve o uso de medicamentos para matar células cancerígenas. Um ou mais medicamentos podem ser administrados na veia ou por meio de comprimidos.
Nos tumores de maior tamanho, a quimioterapia é usada antes da cirurgia para reduzir o tamanho do tumor e para tornar a ressecção cirúrgica mais eficaz ou viável.
Mas, como regra geral ela é usada após a cirurgia. O objetivo, neste caso, é matar eventuais células cancerígenas que não tenham sido removidas com a cirurgia.
Para cânceres de pulmão avançados e aqueles que se espalharam para outras áreas do corpo, a quimioterapia pode ajudar a aliviar sintomas como a dor, mesmo que isso não signifique a cura do câncer.

Terapia alvo
O tratamento com terapia alvo se concentra em anormalidades específicas presentes nas células cancerígenas. Ao bloquear essas anormalidades, os tratamentos com medicamentos direcionados podem causar a morte das células cancerígenas, mas sem afetar células normais.
Na maior parte das vezes, a terapia alvo é reservada para pessoas com câncer avançado ou recorrente. Mais do que isso, ela geralmente é indicada apenas na presença de mutações genéticas específicas.

Imunoterapia
A imunoterapia envolve o uso de diferentes tratamentos para estimular o sistema imunológico a gerarem uma resposta para destruir as células cancerígenas.
Os tratamentos de imunoterapia são geralmente reservados para pessoas com câncer de pulmão localmente avançado ou câncer metastático.

Cuidado paliativo
Os cuidados paliativos envolvem um conjunto de medidas que buscam oferecer conforto, bem-estar e qualidade de vida para pacientes com câncer incurável.
O objetivo principal não é o prolongamento da vida, embora estudos mostrem que pacientes com câncer de pulmão sob cuidados paliativos sobrevivem cerca de três meses a mais do que aqueles que não participam deste tipo de cuidado (2).

Qual o prognóstico do câncer de pulmão?

Como regra geral, o prognóstico do câncer de pulmão é pior quando comparado a outros tipos de câncer.
Além de ser um câncer agressivo, apenas 16% dos cânceres são diagnosticados em estágio inicial (3).
O prognóstico no câncer de pequenas células é pior do que o câncer de células não pequenas.

SOBREVIDA EM 5 ANOS – CÂNCER DE PULMÃO
CÂNCER NÃO PEQUENAS CÉLULAS
ESTÁGIO SOBREVIDA EM 5 ANOS
Localizado 65%
Metástase regional 37%
Metástase a distância 9%
CÂNCER PEQUENAS CÉLULAS
ESTÁGIO SOBREVIDA EM 5 ANOS
Localizado 30%
Metástase regional 18%
Metástase a distância 3%

Fonte: adaptado a partir de  https://www.cancer.org/cancer/lung-cancer/detection-diagnosis-staging/survival-rates.html

Tratamento do câncer de pulmão de pequenas células

O câncer de pulmão de pequenas células depende do estágio de evolução da doença

Câncer localizado
O tratamento do câncer de pulmão de pequenas células localizado (que não se espalhou) geralmente envolve a remoção cirúrgica do mesmo.
Antes desta ressecção cirúrgica, no entanto, é feita uma avaliação dos linfonodos do tórax. Caso células cancerígenas sejam encontradas, o câncer é reclassificado e a proposta terapêutica pode ser modificada.
A cirurgia é geralmente seguida de quimioterapia. Se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos que foram removidos, a radioterapia no tórax também é geralmente recomendada.
A radiação é muitas vezes administrada ao mesmo tempo que a quimioterapia. Embora isso aumente os efeitos colaterais do tratamento, o resultado tende a ser mais eficaz do que quando é realizado um tratamento após o outro.
Se você já tem doença pulmonar grave (além do câncer) ou outros problemas graves de saúde, pode não receber radioterapia.

Câncer avançado
Para a maioria das pessoas com câncer avançado, a cirurgia não é uma opção. Isso pode acontecer porque o tumor é muito grande, está em um local que não pode ser removido facilmente ou se espalhou para os linfonodos próximos ou outros lobos no mesmo pulmão.
Caso a saúde geral do paciente esteja boa, o tratamento padrão envolve a quimioterapia combinada com a radioterapia, administrados ao mesmo tempo (quimiorradiação). No caso de pacientes com o estado geral mais comprometido, a quimioterapia pode ser usada como tratamento isolado.
Por ser um câncer em que as células se multiplicam rapidamente, o câncer de pulmão de pequenas células tende a responder muito bem à quimioterapia.
Na maioria dos pacientes, haverá uma redução significativa na massa tumoral. Eventualmente, o tumor pode encolher a ponto inclusive de não poder mais ser visto nos exames de imagem.
Infelizmente, no entanto, o câncer de pulmão retornará em algum momento na maior parte dos pacientes.

Tratamento do câncer de pulmão de células não pequenas

Tratamento de câncer oculto (Tx)
Estes cânceres se referem àqueles nos quais as células cancerígenas são encontradas na saliva ou no fluido retirado do pulmão, embora nenhuma lesão suspeita seja identificada.
A broncoscopia e possivelmente outros exames geralmente são repetidos a cada poucos meses para procurar um tumor.

Estágio 0
O câncer no estágio 0 é limitado à camada de revestimento das vias aéreas e não invadiu profundamente o tecido pulmonar ou outras áreas. Geralmente, ele é curável apenas com cirurgia, sem a necessidade de quimioterapia ou radioterapia.
Para alguns cânceres de estágio 0, tratamentos como terapia fotodinâmica (PDT), terapia a laser ou braquiterapia (radiação interna) podem ser alternativas à cirurgia. Se o seu câncer está realmente no estágio 0, esses tratamentos tendem a levar à cura.

Estágio I
No estágio 1, a cirurgia pode ser o único tratamento necessário. Junto com a ressecção do tumor, alguns gânglios linfáticos no pulmão e no espaço entre os pulmões também serão removidos e verificados quanto ao câncer.
Caso sejam encontradas células cancerígenas nos linfonodos ou mediastino, o câncer é reclassificado (ou seja, não é de fato um câncer estágio1).
Para pessoas que apresentam maior risco de recidiva (com base no tamanho, localização ou outros fatores), a quimioterapia adjuvante (e possivelmente a imunoterapia) após a cirurgia pode reduzir o risco de recidiva do câncer.
Na presença de sérios problemas de saúde que impeçam o paciente de fazer uma cirurgia, a radioterapia estereotáxica ou outro tipo de radioterapia poderão ser considerados como tratamento principal.

Estágio II
O tratamento do câncer de pulmão de células não pequenas é geralmente feito com cirurgia. Dependendo do caso, poderá ser feita uma lobectomia ou mesmo a remoção de um pulmão inteiro.
Quaisquer gânglios linfáticos com probabilidade de ter câncer também são removidos e analisados.
Após a cirurgia, o tecido removido é verificado para ver se há células cancerígenas nas bordas do espécime da cirurgia. Eventualmente, uma cirurgia adicional pode ser indicada para remover qualquer câncer remanescente.
Além disso, a cirurgia costuma ser seguida por quimioterapia e, depois, pela imunoterapia.
Para cânceres de estágio II com mais de 4 centímetros de diâmetro, poderá ser indicada a quimioterapia combinada com a imunoterapia antes da cirurgia. O objetivo é reduzir o tamanho do tumor para que ele possa ser removido pela cirurgia. O tratamento após a cirurgia também é indicado para matar eventuais células cancerígenas que tenham ficado para trás.

Estágio III A
O tratamento do câncer em estágio IIIA depende do tamanho do tumor, sua localização no pulmão, para quais gânglios linfáticos o câncer se espalhou, a saúde geral do paciente, a tolerância e as preferências individuais.
Alguns pacientes recebem quimioterapia ou quimioradiação, que pode ou não ser seguida de cirurgia.
Outros pacientes realizam quimioterapia combinada com a imunoterapia, seguido por cirurgia e quimioterapia pós cirúrgica.
Finalmente, alguns pacientes iniciam o tratamento com cirurgia, que é seguida por quimioterapia e, depois, imunoterapia.

Estágio IIIB
O câncer de pulmão em estágio IIIB não pode ser removido completamente por cirurgia.
Alguns pacientes são tratados por quimioradiação. Se o câncer permanecer sob controle após 2 ou mais tratamentos de quimiorradiação, o medicamento imunoterápico durvalumabe (Imfinzi) pode ser administrado por até um ano para ajudar a manter o câncer estável.
Os pacientes que não são saudáveis ​​o suficiente para essa combinação são frequentemente tratados apenas com radioterapia ou, menos frequentemente, apenas com quimioterapia.
Se cirurgia, radiação e quimiorradiação não forem boas opções de tratamento, a imunoterapia pode ser considerada como o primeira opção de tratamento.

Estágio IV
As opções de tratamento no estágio IV dependem de onde e até que ponto o câncer se espalhou, se as células cancerígenas têm certas alterações genéticas, da saúde geral do paciente e das preferências individuais do paciente.
Tratamentos como cirurgia, quimioterapia, terapia alvo, imunoterapia ou radioterapia poderão ser considerados, a depender do caso.
Ainda que a probabilidade de cura seja baixa, estes tratamentos podem fazer o paciente se sentir melhor, além de aumentar a sobrevida.
Alguns pacientes podem ser mantidos em cuidados paliativos, sem nenhum tratamento para a melhora do câncer em sí.