medicina e exercicio

Síndrome de Tourette (Tiques)

O que é a Síndrome de Tourette?

A síndrome de Tourette é uma condição que faz com que uma pessoa faça sons e movimentos involuntários de forma repetitiva, denominados de tiques.

Os tiques se iniciam ainda na infância, entre os 2 e os 14 anos. No entanto, a maior parte das crianças iniciam este quadro entre os 4 e os 6 anos de idade.

Os tiques tendem a piorar ao longo da infância, atingindo um pico ao redor dos 10 a 12 anos de idade. Depois disso, eles tendem a melhorar gradativmaente, podendo em alguns casos desaparecer completamente.

Cerca de 1% das pessoas permanecem com o tique mesmo durante a idade adulta.

Tipos de Transtornos de tiques

Os Tiques são observados em aproximadamente 20% das crianças, variando bastante em termos de apresentação e gravidade (1).

A Síndrome de Tourette representa apenas a forma mais grave de transtornos tiques.

Os transtornos de tiques são divididos em três tipos:

  • Transtorno de tique provisional: tiques únicos ou múltiplos motores e/ou vocais presentes por < 1 ano.
  • Transtorno de tique persistente: tiques únicos ou múltiplos motores ou vocais (mas não motor e vocal) que estejam presentes por mais de 1 ano.
  • Síndrome de Tourette: tiques tanto motores como vocais estão presentes por mais de 1 ano.
  • Normalmente, a criança com a Síndrome de Tourette e caracterizad inicialmente com o transtorno de tique provisional, que evolui para o Transtorno de tique persistente e, depois, para a Síndrome de Tourette.

Diagnóstico da Síndrome de Tourette

O diagnóstico é feito quando a criança apresenta tiques vocais e motores por ao menos um ano.
A idade de início deve ser menor do que 18 anos e a perturbação não pode ser decorrente dos efeitos fisiológicos de uma substância (como um medicamento ou droga recreativa) ou de uma outra doença.

Quais os tiques mais comuns?

Pessoas com síndrome de Tourette apresentam uma combinação de tiques físicos e vocais.
Exemplos de tiques físicos incluem:

  • Piscar ou revirar os olhos;
  • Fazer careta;
  • encolher os ombros;
  • pular ou girar;
  • tocar objetos e outras pessoas.

Já os tiques vocais podem incluir:

  • Grunhir, assobiar ou imitar o som de animais;
  • repetir um som, palavra ou frase;
  • tossir;
  • Falar palavrões.

O que desencadeia os tiques?

Os tiques tendem a ser pior em alguns dias do que em outros.

Estas ocilações acontecem independente de qualquer outro motivo. No entanto,

Situações de estresse, ansiedade ou cansaço físico e mental tendem a fazer com que os tiques aumentem.

Outras condições associadas à Síndrome de Tourette

A Síndrome de Tourette pode acontecer como uma condição isolada. No entanto, outras condições que podem estar associadas a ela incluem:

A Síndrome de Tourette faz também com que a criança se diferencie de seus colegas, o que aumenta o risco para que elas sofram bullying.
Estes transtornos podem não apenas contribuir para o desencadeamento da Síndrome de Tourette, como podem surgir a partir dela.

Controlando os tiques

Algumas pessoas conseguem controlar seus tiques por um curto período de tempo e em certas situações sociais, como em uma sala de aula.

Isso requer concentração, pode gerar estresse na criança e pode reduzir a atenção dela com o conteúdo da aula.

Para algumas crianças, este controle se torna mais natural com o passar tempo.

Ao sair desta situação que exigia controle, ela pode ter uma liberação repentina dos tiques. Isso pode acontecer, por exemplo, no momento em que volta da escola para casa.

Tratamento para os tiques

O tratamento para os tiques e para a Síndrome de Tourette só é recomendado quando eles interferem de forma significativa nas atividades ou na autoimagem da criança.

Quando indicado, o tratamento tem por objetivo o controle ou supressão dos tiques, ainda que não se deva esperar uma mudança na história natural do transtorno.

A psicoterapia pode ajudar a criança a compreender e aceitar melhor o seu problema.

Algumas crianças podem se beneficiar de tratamentos como a Terapia cognitivo-comportamental para reversão dos hábitos. Neste caso, o objetivo é que ela aprenda um novo comportamento para substituir o tique.

A identificação e tratamento de eventuais comorbidades, como o TDAH ou o TOC, também pode ajudar na melhora dos tiques.

Quando as medidas acima não forem suficientes, medicamentos como a clonidina ou os antipsicóticos podem ser considerados em alguns casos.