medicina e exercicio
Pesquisar
Pesquisar

Medicina do Esporte Infanto-juvenil

O que é a Medicina do Esporte Infanto-juvenil?

A medicina do Esporte Infanto-juvenil é um ramo da pediatria e da medicina esportiva dedicada aos cuidados e orientações médicas direcionadas ao jovem talento esportivo e também a crianças não atletas que podem utilizar-se da prática de exercícios para melhorar suas condições de saúde.

Qual a importância da Medicina do Esporte Infanto-juvenil?

Na pediatria, existe uma grande máxima de que a criança não é um “mini-adulto” e de que o tratamento da criança não é uma “mini-dose” daquilo que se faz para o adulto.

O mesmo pensamento vale para o esporte. Querer replicar aquilo que se faz para uma equipe esportiva adulta para uma criança significa um alto risco de lesões, alta taxa de abandono do esporte e, acima de tudo, um provável fracasso em termos esportivos.

Mesmo no caso do jovem talento esportivo, seu potencial somente será explorado ao máximo por meio de um treinamento estruturado e que considere as diversas fases do desenvolvimento.

Sem isso, é provável que se forme um “grande campeão” nas categorias infantis, mas eu fique para trás assim que avançar para as categorias superiores.

Mais do que isso, o jovem talento esportivo apresenta lesões e queixas diferentes, que exigem um profissional especializado

O pediatra especializado em medicina esportiva, desta forma, pode ter um papel fundamental dentro da equipe multidisciplinar que trabalha com o jovem talento esportivo.
Discutimos mais sobre isso em um artigo sobre o Treinamento do Jovem Talento Esportivo.

Alimentação da criança atleta

A alimentação da criança atleta é fundamental para manter a saúde, o crescimento e a maturação, bem como para minimizar lesões e melhorar o desempenho esportivo.

Os efeitos de uma alimentação saudável na criança fisicamente ativa poderão ser percebidos tanto em relação à saúde como no desempenho esportivo.

Ainda que os princípios básicos da alimentação sigam as mesmas diretrizes dos atletas adultos, existem algumas especificidades no público infantil que precisam ser consideradas.

Muitos dos hábitos alimentares adotados pelas crianças e adolescentes, sejam elas atletas ou não, tendem a ser mantidos pelo resto da vida. Assim, uma criança que tem uma alimentação equilibrada incluindo verduras e legumes variados não sofrerá para ter uma alimentação saudável quando adulta. Aquelas que se acostumam com doces, açúcar e farinha processada, tendem a sofrer muito mais ao longo da vida.

Durante a infância e a adolescência, o corpo precisa de energia não apenas para suprir as demandas do esporte, mas também para sustentar o crescimento e o desenvolvimento corporal. Como o corpo está em constante transformação, as demandas também mudam continuamente.

Saúde mental do jovem talento esportivo

A adolescência é um período da vida de grandes transformações e de grandes descobertas, e isso não é diferente para o jovem talento esportivo.

A maturação cerebral, psíquica e emocional ainda não ocorreu plenamente nestes atletas, o que pode resultar em questões que merecem atenção por parte da família e dos profissionais que estão apoiando esse jovem talento.

Os aspectos psicológicos do jovem atleta podem ser marcados por conflitos, dúvidas, incertezas e transformações na vida do indivíduo. As mudanças na rotina, a angústia de abrir mão da sua escola e de seus amigos, o medo diante das cobranças sociais, a irritabilidade de ter a sua rotina toda transformada, entre outros aspectos podem ser bastante comuns.

Além disso, a sobrecarga decorrente da combinação de atividades escolares e treinamento esportivo pode levar a um quadro de esgotamento, conhecido como burnout no esporte. A perda de desempenho ou mesmo o abandono esportivo é comum nestas situações.

Discutimos sobre isso em um artigo sobre os Aspectos Psicológicos do Jovem Talento Esportivo.

Especialização Esportiva Precoce

Especialização esportiva precoce é o termo utilizado para expressar o processo pelo qual crianças tornam-se especializadas em um determinado esporte.
Este é um tema de grande controvérsia:
Por um lado, temos médicos e educadores preocupados com os potenciais prejuízos para a saúde física e psicológica da criança e em não “atropelar” o desenvolvimento integral da mesma.

Por outro, temos pais e treinadores que querem oferecer a melhor oportunidade para que suas crianças se transformem em futuros campeões, considerando-se que existem linhas direcionadas ao rendimento que a veem como parte do processo de sucesso esportivo e, por vezes, como algo necessário ao mesmo.

O treinamento esportivo, uma vez que não respeite os estágios de desenvolvimento físico e cognitivo da criança, será infrutífero ou mesmo prejudicial em termos de rendimento esportivo.

Isso não significa, porém, que a criança não possa ser “moldada” para uma modalidade esportiva desde cedo ou que isso não resultará em benefícios esportivos no futuro.

O rendimento esportivo em cada modalidade é determinado por um conjunto de habilidades, com algumas delas mais impactantes do que outras.

De fato, certas habilidades precisam ser trabalhadas desde cedo e podem ser tão específicas de uma modalidade esportiva que não haverá uma “transferência” imediata a partir do treinamento de outras modalidades.

Por outro lado, a diversificação inicial, seguida de especialização posterior, dá aos futuros atletas a oportunidade de desenvolver uma gama maior de habilidades físicas, cognitivas, psicológicas e sociais. Isso serve como uma base para o desenvolvimento sustentado nos esportes em um segundo momento.

O grande segredo, ao iniciar a especialização esportiva, é equilibrar qual o tempo que deve ser dedicado ao seu esporte principal e qual o tempo que será dedicado a outras modalidades, o que varia a depender da modalidade esportiva.

O Pediatra especialista em medicina esportiva, desta forma, poderá ajudar a encontrar este ponto de equilíbrio.