medicina e exercicio

Dependência aos Opióides

O que é a Dependência aos opióides?


A dependência aos opióides é uma condição caracterizada por um desejo poderoso e compulsivo de usar medicamentos opióides, mesmo quando estas medicações não são mais necessárias clinicamente.

Além disso, o indivíduo dependente apresenta sinais e sintomas de abstinência quando não está sob efeito da medicação.

Os opióides são medicamentos com potencial para se tornarem viciantes, em grande parte porque ativam poderosos centros de recompensa no cérebro.

Indivíduos que se tornam viciados podem priorizar a obtenção e o uso dessas drogas em detrimento de outras atividades em suas vidas, muitas vezes impactando negativamente seus relacionamentos profissionais e pessoais.

Risco da dependência aos opióides


Os opióides têm um alto potencial de causar dependência em algumas pessoas, mesmo quando os medicamentos são prescritos adequadamente e tomados conforme as instruções.

Entretanto, não se tem claro porque algumas pessoas desenvolvem a dependência mais facilmente do que outras.
Algumas medicações têm maior ou menor potencial para causar dependência.

Nos Estados Unidos, as medicações são divididas em cinco categorias, de acordo com o potencial que elas têm para causar dependência (1).

Substâncias classe I são aquelas que não têm indicação clínica, sendo usadas para fins recreativos . Medicações classe II são aquelas com alto potencial de causar dependência, enquanto as classes III, IV e V apresentam potencial progressivamente menor de causarem dependência.

Os opióides são classificados da seguinte forma:

  • Classe I: heroína
  • Classe II: morfina, metadona, oxicodona, fentanil
  • Classe III: codeína, bupremorfina
  • Classe IV: tramadol

Overdose


A dependência aos opióides tem potencial para causar problemas de saúde com risco de vida, especialmente a overdose.

A overdose acontece quando doses elevadas de opiáceos fazem com que a respiração diminua ou pare. Ela pode provocar perda da consciência e morte.

Diferentes drogas, legais ou ilegais, podem provocar morte por overdose. Entretanto, nos Estados Unidos, os opiáceos são responsáveis por 75% dos casos de morte por overdose (1).

Alguns cuidados devem ser considerados para minimizar o risco de overdose:

  • Tomar a medicação apenas quando prescrita e da forma como foi prescrita;
  • Não deixar os opióides ao alcance de crianças ou animais domésticos;
  • Descartar a medicação excedente de forma apropriada após o fim do tratamento;
  • Não combinar os opióides com outras drogas, particularmente o álcool ou os benzodiazepínicos (medicamentos para dormir).

Como se desenvolve a dependência por opióides?


Os opióides promovem a liberação de endorfinas, os neurotransmissores do bem-estar do cérebro.

As endorfinas reduzem a percepção da dor e aumentam a sensação de prazer, criando uma sensação de bem-estar temporária, mas poderosa.

Quando o efeito do opióide passa, o indivíduo fica ávido para ter esses bons sentimentos e volta a usar a medicação.

O uso prolongado dos opióides, porém, faz com que o corpo diminua a produção de endorfina, frente a uma mesma dose da medicação. A este processo se chama de intolerância.

Pessoas que desenvolvem tolerância podem se sentir motivadas a aumentar suas doses para que possam continuar se sentindo bem. Este é o primeiro marco no caminho para se tornar viciada.

Depois de um tempo, o indivíduo passa a apresentar sinais físicos e mentais desagradáveis na ausência da droga, condição essa denominada de tolerância medicamentosa, e que caracteriza a dependência.

Abstinência aos opióides


A abstinência está relacionada ao aparecimento de sinais e sintomas específicos, uma vez que a pessoa não esteja sob efeito do opióide.

Os principais sintomas da abstinência aos opióides incluem cãibras musculares, diarreia e ansiedade.

Não interrompa os medicamentos opióides sem a ajuda de um médico. Parar esses medicamentos abruptamente pode causar efeitos colaterais graves, incluindo dor pior do que antes de você começar a tomar opióides.

Seu médico pode ajudá-lo a diminuir os opióides de forma lenta e segura.

Fatores de risco


Qualquer pessoa pode desenvolver dependência com o uso de opióides.

Entretanto, existem alguns fatores que aumentam este risco. Entre eles, devemos considerar:

  • Predisposição genética;
  • Histórico de abuso de substâncias;
  • Depressão ou outros distúrbios psiquiátricos;
  • Convívio com outras pessoas dependentes de opióides;
  • Facilidade de acesso aos opióides.
  • Dor crônica: Entre 8 e 12 por cento das pessoas que usam um opioide para dor crônica desenvolvem dependência aos opioides (1).

Tratamento da dependência aos opióides


O tratamento da dependência aos opióides tem os seguintes objetivos:

  • Afastamento das medicações viciantes;
  • Tratamento dos sintomas de abstinência;
  • Tratamento de outros problemas decorrentes da dependência química;
  • Prevenção de recaídas

Na maior parte das vezes, ele requer uma combinação de medicamentos com diferentes técnicas de psicoterapia.

Alguns pacientes podem ser tratados domiciliarmente, enquanto outros podem requerer um período de tratamento em clínica de reabilitação.

Tratamento da abstinência


A abstinência de opióides refere-se à ampla gama de sintomas que ocorrem após a interrupção do uso destes medicamentos. Eles podem durar até 10 dias. Mas, na maioria das vezes, dura entre 3 e 5 dias.

Embora possa causar sintomas muito preocupantes (como vômitos, cólicas e sudorese), a abstinência raramente é fatal.

Em muitos casos, o uso de medicamentos para o controle dos sintomas é indicado.

Tratamento medicamentoso


Os medicamentos mais usados ​​no tratamento de dependência de opióides são a metadona, buprenorfina e naltrexona.

Cada um deles tem efeitos colaterais e uma forma correta para serem usados.

Quando usados ​​corretamente, eles não criarão um novo vício. De forma contrária, eles ajudam os pacientes a gerenciar o vício para que possam se recuperar.

Metadona

A metadona ajuda a reduzir o desejo de usar a droga problemática. O paciente em uso de metadona parece normal, sem sintomas de abstinência.

A metadona também pode reduzir os desejos despertados pelos opióides.

Ela pode ser iniciada com segurança assim que o paciente deixar outros medicamentos opióides de lado.

Buprenorfina

A buprenorfina atua no cérebro para reduzir o desejo de usar o opióide problemático, além de minimizar os sintomas de abstinência.

Algumas versões comercialmente disponíveis são combinadas com a naloxona, o que ajuda a minimizar o risco de uso indevido

Os pacientes devem esperar até que apresentem sintomas leves a moderados de abstinência antes de iniciar o uso da buprenorfina.

Naltrexona

A naltrexona funciona bloqueando a ação dos opióides no cérebro.

Isso neutraliza os efeitos buscados pelo paciente com dependência aos opióides, o que ajuda na prevenção de recaídas.

Uma pessoa não pode ter opióides em seu corpo quando inicia o uso da naltrexona.